Sexta-feira, 16 de Novembro de 2007

Sobrepovoamento e desenvolvimento da Orla Costeira

 

  Actualmente cerca de 80% da população portuguesa vive na zona litoral. É no litoral que encontramos a maior parte das actividades humanas e se verificam as maiores densidades populacionais. Este desordenamento territorial é uma das principais causas dos problemas ambientais de Portugal.

 

 

 

 

 

 

  As zonas costeiras constituíram desde sempre espaços privilegiados para as actividades culturais, desportivas, económicas, turísticas e de lazer. Presentemente, estes pontos são identificados pela sua valorização paisagística, patrimonial e ecológica.

 O nosso país e portador de um vasto litoral, do qual é vigorosamente dependente do ponto de vista socioeconómico, pois as suas principais cidades situam-se nas imediações do mar, e como a nossa cidade se encontra junto ao mar e imperativo proceder ao estudo da nossa zona costeira e ao seu planeamento territorial.

 

 As zonas litorais representam um precioso recurso natural, indispensável e não renovável para o Homem.

 No entanto estas zonas não são imóveis mas sim extraordinariamente dinâmicas. O litoral progrediu, algumas formas alteraram-se outras até perderam-se.

 Neste momento, a actividade da faixa do litoral é condicionada pela intervenção de diferentes fenómenos naturais e fenómenos antrópicos.

 De entre os fenómenos desencadeados pela acção do Homem, distinguem-se:

  •   A ocupação da faixa de litoral com estruturas de lazer e de recreio, bem como a implementação de estruturas pesadas de engenharia;      

  •  A diminuição da quantidade de sedimentos que chegam ao litoral em consequência da construção de barragens nos grandes rios;

  •   A destruição das defesas naturais, em consequência do pisoteio das dunas, a construção desordenada, o arranque da cobertura vegetal e a extracção de inertes para a construção civil.

 Cerca de 30% do litoral português encontra-se seriamente ameaçado pelo avanço das águas do mar. Raros são os locais onde ocorre sedimentação e muitos deles estão associados a obras de engenharia, construídas para esse efeito.

 Em parte das situações, as obras que se dizem para a protecção do litoral, têm com tudo a haver, menos com o que seria o mais necessário, pois têm como principal objectivo proteger propriedade privada ou pública. Como tudo, muitas destas infra-estruturas resultam num determinado local, mas transferem, ou agravam, o problema para outro local.

Quebra mar da Figueira da Foz

 

A contrução do Quebra mar conduziu á deposição de areias no seu lado ocidental e ao arrastamento e destruição da costa a oriente, onde parte da praia desapareceu.

 

publicado por figueiracriativa às 09:37
link do post | deixem aqui a vossa opinião | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007

Ocupação antrópica

 

 

 Todos nós temos consciência da importância da paisagem e da protecção do ambiente não só para a qualidade de vida mas também para a manutenção do equilíbrio ecológico e para o uso adequado de cada área. A gestão dos recursos naturais e espaços verdes é imprescindível para uma melhor qualidade de vida, e como cada vez mais assistimos á destruição de meios naturais por parte do Homem, estas zonas verdes não podem ser esquecidas, antes pelo contrário, relembradas e renovadas. Sendo assim com este projecto pretendemos alertar a população e os seus governantes para os efeitos nefastos da ocupação antrópica desnaturada nas zonas costeiras. 
 

   Definição geral:

ØOcupação de grandes zonas da  superfície terrestre pelo Homem com consequente modificação das paisagens naturais.

   

 

 

tags:
publicado por figueiracriativa às 11:31
link do post | deixem aqui a vossa opinião | favorito

Apresentação do Grupo e Projecto

 

 

  O nosso grupo pertence a escola secundaria Dr. Joaquim de Carvalho da Figueira da Foz e como todos os elementos do grupo (Diogo Castro, João Maricato e Ivo Castro) sao habitantes preocupados com a cidade onde vivemos, decidimos intervir atraves deste blog e de um projecto de trabalho - Ocupação antrópica e impactes ambientais - onde pretendemos divulgar no âmbito do ordenamento e planificação do território aquilo que nos parece errado e também algumas sugestoes para um melhoramento da nossa cidade.

   Alguns dos nossos objectivos sao, identificar os usos e ocupações antrópicas que provocam impactes ambientais;

 Caracterizar os impactes ambientais segundo o tipo, a extensão e o grau de gravidade;

 Consciencializar a população local sobre as causas e consequências de práticas urbanísticas, acções e comportamentos geradores de impactes ambientais;

 Promover soluções de remediação e alternativas de desenvolvimento na perspectiva da sustentabilidade ambiental e da melhoria da qualidade de vida.

                                                     

  Porque todos queremos o melhor para o local onde vivemos, vamos empenhar-nos na intervenção para benefício de todos.

                                                                

 

 

publicado por figueiracriativa às 11:05
link do post | deixem aqui a vossa opinião | favorito

A nossa Cidade

                                                             Figueira da Foz

 

 

  A cidade da Figueira da Foz localiza-se na Costa Atlântica de Portugal, na Região Centro, distando cerca de 180 Km de Lisboa, 120 Km do Porto e 40 Km de Coimbra.


  O sol e a praia constituem os seus principais recursos turísticos. Ligadas por cerca de 4 km de areia fina dourada e um mar multifacetado, oferecem todos os atractivos para umas férias repousantes, divertidas e agradáveis. A animação é uma constante ao longo das tardes e noites da Figueira da Foz, transformando as ruas em momentos mágicos de alegria e cor.

 

 

 

O mar figueirense

 

A nossa Cidade

 

publicado por figueiracriativa às 09:40
link do post | deixem aqui a vossa opinião | favorito

História da figueira da Foz

História da Figueira da Foz

1080
Estabelece-se em S. Julião o Abade Pedro, (enviado pelo Conde Sesnando) com o objectivo de restaurar as terras devastadas durante a Reconquista.

1096
O Abade Pedro manda construir casas junto à Igreja de S. Julião da Foz do Mondego.

1143
D. Afonso Henriques concede privilégios ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. Entre eles metade da terra de Redondo, Lavos e Quiaios.

1191
D. Sancho I doa à Igreja de Santa Maria de Coimbra, a Vila de Tavarede.

1237
Concessão dos lugares da Figueira e Tamargueira, a Domingos Ioanes, Martinho Miguel e Martinho Gonçalves, pelo cabido da Sé de Coimbra.

1339
D. Afonso IV compra uma das casas na Figueira da Foz de Buarcos, que tinham sido levadas à penhora.

1342
Doação de Foral a Buarcos, por D Afonso IV.

1390
O Papa Bonifácio IX envia Bulla para o Reino, confirmando as Igrejas da Figueira e Espinho.

1450
É concedida Carta de Perdão aos pescadores de Buarcos por terem ido à batalha de Alfarrobeira apoiar o Infante D. Henrique.

1456
Partem caravelas de Buarcos a caminho de Ceuta.

1466
D. João II recebe de seu pai a terra de Buarcos.

1516
Concessão de Foral a Buarcos por D. Manuel I.

1522
A costa figueirense e buarquense são assoladas por piratas. São saqueadas casas, pessoas e bens de Igreja.

1585
Nasce a ideia da construção do Forte de Santa Catarina para defesa da barra de Buarcos (Figueira da Foz)

1602
A Figueira da Foz e Buarcos são assoladas por piratas. A povoação é saqueada, as igrejas são profanadas e o forte de Santa Catarina é ocupado.

1640
A aclamação pública de D. João IV de Portugal é feita nas ruas da Figueira da Foz, Buarcos e Tavarede.

1701
É iniciada a construção de uma nova Igreja Matriz da Figueira da Foz.

1755
O terramoto assola a região. A Igreja Matriz de Buarcos é destruída.

1771
A Figueira da Foz é elevada à categoria de Vila.

1807
(Dezembro) O Forte de Santa Catarina encontra-se ocupado por uma guarnição pertencente ao exército de Junot.

1808
(15 de Março) As tropas invasoras comandadas por Junot dominam toda a região entre Coimbra e Figueira da Foz.

(A 27 de Junho) É tomado o Forte de Santa Catarina aos franceses pelo grupo de voluntários liderados pelo académico Bernardo António Zagalo.

(Entre 1 e 3 de Agosto) Desembarque do exército de Wellesley, futuro duque de Wellington.

1810
Uma epidemia assola a região da Figueira, originada pela grande aglomeração de famílias fugidas do exército francês.

1822
Morre Manuel Fernandes Tomás

1882
Elevação da Figueira da Foz a cidade.

 

 

 

 

FONTE- FIGUEIRA DA FOZ. Biblioteca Municipal Pedro Fernandes Tomás - Elementos subsidiários para o estudo do concelho da Figueira da Foz

 

 


publicado por figueiracriativa às 09:36
link do post | deixem aqui a vossa opinião | favorito

-musica

-O nosso Grupo de Area Projecto-Ocupação antrópica e Impactes Ambientais

-pesquisar

 

-Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28

-New pics

- futuro->Tecnico saude amb...

- apos longa ausencia

- Lamentamos informar...

- Balanço do trabalho reali...

- Sugestões Urbanisticas

- Oásis um outro problema

- Parque Abadias

- Fossas e Esgotos

- Oásis

- Castelo Eng. Silva Guimar...

-ficheiros

- Fevereiro 2009

- Novembro 2008

- Junho 2008

- Maio 2008

- Abril 2008

- Fevereiro 2008

- Dezembro 2007

- Novembro 2007

-tags

- a história da nossa cidade

- abadias...

- alternativas

- ambiente

- atlântico

- castelo ou casa abandonada?

- cidades fantasmas

- edificio "o trabalho"

- edificios á espera de remodelaçoes e edi

- evolução e sobrepovoamento do litoral

- fossas e esgotos

- inforama se

- mais problemas??!

- mecanismos? que é isso?

- o monstro do betão

- o perfeito local para turismo...

- o que andamos a fazer...

- o que é?

- o turismo associado á ocupação antrópica

- onde vivemos

- quem somos? o que pretendemos?

- sobrepovoamento? porquê?

- todas as tags

-links

-Atenção as horas

-contador de visitas

contadores de visitas
contadores de visitas

-salvar a terra

-salvar o planeta

-save the planet

blogs SAPO

-subscrever feeds